Hiperatividade também afeta os cães

03/08/2017

A hiperatividade canina, assim como a humana, tem causas fisiológicas, revelam estudiosos da Universidade de Helsinque, na Finlândia. Eles descobriram que os cachorros ligados no 220 apresentam níveis baixos de triptofano, aminoácido que é matéria-prima de neurotransmissores por trás da sensação de bem-estar.

O desafio, contudo, é diferenciar a condição de uma agitação natural ao bicho ou à raça. “Muitas famílias adquirem pets que são inadequados para o perfil da casa”, diz o veterinário Rafael Lena, do Hospital Pet Care, em São Paulo. Agora, diante de uma inquietação extrema, é bom investigar: “Alguns cães parecem hiperativos, mas possuem outro problema, como distúrbios hormonais”, avisa Lena.

7 comportamentos de um cachorro hiperativo

– Ser agressivo

– Não obedecer a comandos

– Latir sem parar

– Ter excesso de dominância

– Correr atrás do rabo com frequência

– Não permitir carinhos

– Ficar agitado mesmo sem estímulos

Como lidar com a hiperatividade canina

Exercícios : O cachorro precisa gastar a energia além da conta – por isso, é essencial colocar o bicho para se mexer.

Desafios: Uma técnica é colocar um petisco em uma garrafa pet. Assim, o animal tem mais dificuldade para acessar o agrado.

Adestramento: Quanto mais cedo, melhor: o cão que vai para o centro de treinamento se torna mais sociável e educado.

Remédios: Existem opções, mas só devem ser usadas sob orientação do veterinário. E não substituem os cuidados anteriores.

Fonte: http://saude.abril.com.br