7 lições para criar um gato feliz

07/03/2017

Os gatos são alvo de algumas lendas e muitas dúvidas, especialmente sobre seus hábitos e a transmissão de doenças. Veja as respostas para algumas das perguntas mais frequentes e tire maior proveito da companhia desses animais independentes, brincalhões e extremamente carinhosos.

Como ensinar o gato a fazer xixi e cocô no lugar certo?
Não é preciso, eles aprendem instintivamente. Logo que abre os olhos, o filhote já procura um lugar com terra onde possa fazer suas necessidades. No caso dos gatos de apartamento, eles vão direto à bacia com areia higiênica. O único cuidado deve ser o de manter o recipiente sempre limpo.

Gato precisa tomar banho?
Depende. Nos gatos de pêlos curtos, as enzimas da saliva já são suficientes para limpá-lo quando ele se lambe. Já para as raças de pêlos longos, o banho é aconselhável porque evita a formação de nós e inibe o aparecimento de fungos. Já há no mercado opções de banhos secos, que podem ser dados em casa, o que estressa bem menos o bichano.

Qual a idade certa para castrar o gato?
Para alguns veterinários, é preciso esperar o primeiro cio, entre os 7 e os 8 meses de vida. Outros defendem a castração aos 2 meses de idade. Segundo Luciana Deschamps, presidente da ONG Felinos do Brasil, o ideal é um meio-termo. ”Aos 2 meses, o gato nem tem todos os anticorpos. Por outro lado, estudos demonstram que gatas castradas antes do cio têm índices menores de câncer”, diz. Para ela, a melhor fase é quando o animal tem entre 5 e 6 meses.

Por que os gatos causam alergia?
Existem dezenas de agentes alergênicos no ambiente (poeira, ácaros, fungos, pólen), e um deles é o pelo de animais. Não há cura, mas tratamentos homeopáticos e acupuntura amenizam os sintomas. Porém, ninguém se torna alérgico ou asmático por causa do convívio com os animais. Essa deficiência nasce com o indivíduo. ”Um gato não passa asma para uma pessoa”, ressalta Luciana Deschamps.

Gatos transmitem doenças?
A incidência é muito pequena, mas há casos de toxoplasmose transmitida por gatos. A doença é especialmente perigosa para gestantes, porque pode afetar o desenvolvimento do feto. No entanto, o contágio por gatos é raro, pois seria necessária a ingestão dos cistos das fezes do gato contaminado. Ou seja, lavando bem as mãos após limpar o banheirinho do seu gato, você reduz esse risco. Gatos que passeiam pela rua também podem transmitir a raiva. Mas é fácil prevenir: basta vacinar o bichano uma vez por ano.

Qual a melhor raça de gato para ter em apartamento?
Quase todas as raças. ”Por ser um animal que aproveita o espaço aéreo da casa, como prateleiras e armários, o gato se adapta bem a lugares pequenos”, explica Luciana. Isso não quer dizer que bastam comida e uma cama para ele ser feliz. ”Gatos precisam de um cantinho de onde possam ver a rua”, diz. Por isso, lembre-se de instalar redes de proteção nas janelas e sacadas.

Qual a alimentação adequada para seu gato?
As rações têm todas as vitaminas necessárias. Atum em água, peito de frango cozido e sachês especiais, além de queijos e iogurtes, são petiscos liberados duas vezes por semana.

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br