Benefícios da clorofila para o cachorro e gato

A clorofila é um pigmento verde encontrado em quase todas as plantas e algas. É um composto extremamente importante na fotossíntese, porque na verdade é ela que permite que as plantas absorvam a energia da luz.

Um fato admirável e surpreendente é que a estrutura molecular da clorofila é quase idêntica à hemoglobina, que é encontrada nas células vermelhas do sangue. Hemoglobina e clorofila são idênticas, exceto por um átomo. A hemoglobina é responsável pelo transporte de oxigênio para todos os órgãos e células do seu cão. A hemoglobina no sangue do seu cão tem o ferro como a molécula central, enquanto a clorofila nas plantas tem magnésio como a molécula central.

Quando os cachorros e gatos comem clorofila, eles estão realmente ajudando a construir a saúde de seu sangue. Isso porque a clorofila vai ajudar a repor os seus glóbulos vermelhos do sangue.

A clorofila ajuda a limpar todas as células do corpo, combater a infecção, curar feridas, construir o sistema imunitário e desintoxicar todos os sistemas, particularmente no fígado e no sistema digestivo. Ela também promove a saúde digestiva, por isso, muitos cães com problemas digestivos agudos tendem a ingerir grama.

Fonte: http://shopnutribrasil.blogspot.com.br

Frutas para gatos: pode?!

Muitos donos costumam aderir à alimentação do seu bichinho alguns alimentos que eles próprios consomem, como frutas, vegetais e doces.

Porém, deve se ter muito cuidado com o que seu animal ingere, e um desses cuidados é no quesito de frutas para gatos.

Gatos são animais carnívoros, que tem como alimentação base a proteína fresca, o necessário para sua nutrição está em peixes, frangos e carne vermelha. Outro tipo de alimento não é necessário na sua dieta, e alguns são até perigosos. Os donos costumam dar frutas para gatos como aperitivos ou até misturá-las em sua ração, com a ilusão de que estão acrescentando nutrientes à alimentação do seu bichinho.

Assim como os doces não acrescentam nada de bom ao nosso organismo, as frutas não acrescentam aos gatos. Pelo contrário, a sensação de saciedade que dá depois de ingerir esses alimentos atrapalha na dieta ideal do bichano, que acaba com menos proteína do que deveria.

Fonte: CachorroGato @ http://www.cachorrogato.com.br/gato/frutas-para-gatos/

5 cuidados importantes com o cachorro

1 – Mantenha a higiene do cão em dia

Banho, tosa, cortar unhas, escovar o pelo e também os dentes. Todos esses são cuidados básicos e que devem se tornar um hábito para manter a higiene do seu cão em dia.

A frequência ideal para cada um desses cuidados é:banho (pelo menos duas vezes por mês), tosa (pode ser feita a cada 45 dias — dependendo da quantidade de pelo do cão, pode ser necessário tosá-lo em uma frequência maior no verão ou em períodos do ano que são mais quentes), cortar as unhas (a cada sete dias ou, pelo menos, duas vezes por mês), escovar os pelos (muito importante para a retirada de pelos mortos e para mantê-los macios e com brilho) Deve ser feita diariamente em cães com muito pelo e duas vezes por semana naqueles que não tem muito;
Escovar os dentes: para evitar que o seu cão desenvolva doenças bucais, o indicado é que você escove os dentes dele diariamente e o leve para fazer uma escovação mensal no pet shop.

2 – Separe um tempo para brincadeiras

Dedique diariamente um tempo de qualidade ao seu cão, de forma a construir uma bela amizade entre vocês. Esse contato maior entre cão e o dono é muito importante para o bem-estar dele e para deixá-lo sempre feliz e satisfeito.

Por maior atarefada que seja a sua rotina, separe cerca de vinte minutos para realizar algumas brincadeiras — sem contar o momento dedicado ao passeio, ok?

Seja de buscar a bolinha, ensinar algum truque ou comando, saiba que essa dedicação fará muito bem ao seu animal de estimação.

3 – Leve-o regularmente para se consultar com o veterinário

Para ter a certeza de que está tudo bem com a saúde do seu cão, anote em sua agenda visitas anuais ao veterinário e não somente quando o pet apresentar algum comportamento ou sintoma diferente.

Nestas visitas, aproveite para tirar todas as dúvidas e colocar em dia as vacinas. Se necessário, além da avaliação física, o veterinário pode solicitar alguns exames de rotina. Além disso, quanto mais velho for o seu cão, maior será a frequência de consultas, passando de anuais para semestrais.

4 – Garanta uma alimentação de qualidade

A quantidade ideal de ração e de vezes que o seu cão deve ser alimentado dependerão da idade, porte e raça. Você pode tanto seguir as orientações dadas no pacote da ração como também pedir orientação ao veterinário para certificar que o seu amigo está tendo uma alimentação de qualidade.

Na hora de escolher a ração, dê preferência por uma que tenha um bom custo-benefício, ou seja, que além de ter um preço em conta, ofereça os nutrientes necessários e que agrade ao paladar do cão.

5 – Coloque uma placa de identificação

Independentemente da situação, pode acontecer do seu cão conseguir fugir um dia — seja durante um passeio ou porque alguém deixou uma porta da sua casa aberta. Para se sentir seguro, invista em uma placa de identificação com todas as informações de contato necessárias.

Atualmente, já é possível encontrar placas de identificação com um QRCode, em que basta quem encontrá-lo utilizar um dispositivo móvel para acessar online todas os dados referentes ao cão.

O que achou das nossas dicas? Você já seguia todos esses cuidados com o cachorro? Compartilhe este post em suas redes sociais e divida essas informações com os seus amigos donos de cães!

Fonte: http://www.pataapata.com.br/blog

Hiperatividade também afeta os cães

A hiperatividade canina, assim como a humana, tem causas fisiológicas, revelam estudiosos da Universidade de Helsinque, na Finlândia. Eles descobriram que os cachorros ligados no 220 apresentam níveis baixos de triptofano, aminoácido que é matéria-prima de neurotransmissores por trás da sensação de bem-estar.

O desafio, contudo, é diferenciar a condição de uma agitação natural ao bicho ou à raça. “Muitas famílias adquirem pets que são inadequados para o perfil da casa”, diz o veterinário Rafael Lena, do Hospital Pet Care, em São Paulo. Agora, diante de uma inquietação extrema, é bom investigar: “Alguns cães parecem hiperativos, mas possuem outro problema, como distúrbios hormonais”, avisa Lena.

7 comportamentos de um cachorro hiperativo

– Ser agressivo

– Não obedecer a comandos

– Latir sem parar

– Ter excesso de dominância

– Correr atrás do rabo com frequência

– Não permitir carinhos

– Ficar agitado mesmo sem estímulos

Como lidar com a hiperatividade canina

Exercícios : O cachorro precisa gastar a energia além da conta – por isso, é essencial colocar o bicho para se mexer.

Desafios: Uma técnica é colocar um petisco em uma garrafa pet. Assim, o animal tem mais dificuldade para acessar o agrado.

Adestramento: Quanto mais cedo, melhor: o cão que vai para o centro de treinamento se torna mais sociável e educado.

Remédios: Existem opções, mas só devem ser usadas sob orientação do veterinário. E não substituem os cuidados anteriores.

Fonte: http://saude.abril.com.br

PASSARELA PRESENTE NA FIPAN 2017

Sempre em busca de novidades, a rede Passarela Supermercados está presente até o dia 28 de julho, na FIPAN 2017 (Feira Internacional de Panificação, Confeitaria e Varejo Independente de Alimentos), que acontece no Expo Center Norte, em São Paulo.

Promovida há mais de 20 anos pelo SAMPAPÃO (Sindicato e Associação dos Industriais de Panificação e Confeitaria de São Paulo), a Feira oportuniza grandes negócios no setor e apresenta as tendências de mercado, com demonstrações de produtos e palestras para aprofundar o conhecimento nestas áreas.

Atualmente, a FIPAN é considerada a 5ª maior feira setorizada do mundo e 57% do público visitante é formado por proprietários, diretores ou gerentes de estabelecimento. Na edição de 2016, participaram do evento cerca de 63.320 visitantes.

Na foto: Divonei Antunes (coordenador da Central de Produção), Vitor Simioni, Alexandre Simioni (diretor operacional), Bárbara Scherner (nutricionista) e Gianfrancesco Lança (Gerente da Central de Produção Passarela).

PASSARELA RECEBE VISITA DO ANGELONI SUPERMERCADO

O diretor operacional da rede Passarela Supermercados, Alexandre Simioni, participou durante esta manhã (20) de uma reunião com a equipe de produção do Angeloni Supermercados, de Florianópolis-SC. O encontro possibilitou a apresentação da história do Passarela, do modelo de negócios, bem como, uma troca de informações bem importante sobre o trabalho que é realizado na padaria e nas lojas como um todo.

Na ocasião, estiveram presentes os gerentes Gianfrancesco Lança (Coordenador da Central de Produção Passarela) e Ricardo Marcelino Lemos (Gerente Operacional) que aproveitaram o momento para apresentar a Central de Produção Passarela, toda a cadeia de funcionamento, as tecnologias utilizadas, bem como, os processos desenvolvidos para oferecer um produto de excelente qualidade para os clientes.

Para o supervisor comercial de produção do Angeloni, Felipe Acelon de Melo, esta visita superou as expectativas. “O Angeloni assim como o Passarela, prezam muito pelo padrão de qualidade e por um mix diferenciado de produto ao cliente. Como o Passarela é considerado um conceito de excelência na Região, aproveitamos esta visita técnica para trocar informações, agregar valor e levar como experiência tudo o que foi conhecido aqui nesta manhã. Estamos felizes com o que vimos no setor de padaria, a otimização dos processos e no futuro, com certeza, esperamos utilizar algumas informações e fazer essa troca entre Angeloni e Passarela”.

4 razões para diminuir o açúcar da dieta

1. Pele mais jovem: cortar o açúcar da dieta é capaz de amenizar desde as linhas de expressão até os primeiros sinais de envelhecimento. Isso porque quando em excesso na circulação, a substância desencadeia uma séria de reações moleculares que comprometem a firmeza e a elasticidade da pele.

2. Adeus, pochete! Sabe aquele volume na região abdominal que teima em não ir embora? Ele pode ser causado pelo acúmulo de gordura visceral — e o motivo pelo qual é tão difícil eliminá-lo é porque o danado busca morada nos cantinhos mais escondidos do corpo, como entre os órgãos. Um estudo do National Heart, Lung, and Blood Institute, nos Estados Unidos, descobriu que pessoas que ingerem bebidas com adição açúcar apresentam uma quantidade maior de gordura visceral. Ou seja, mais gordurinhas no abdômen.

3. Coração saudável: exagerar no branquinho é praticamente sinônimo de comprar uma passagem sem escalas para terra dos problemas cardíacos. Um estudo publicado no periódico americano JAMA revelou que pessoas que consomem muito açúcar – o correspondente a 21% ou mais do total de calorias diárias – correm o dobro de risco de desenvolver doenças do coração. Quem consome por volta dos 17% também está no grupo de risco e contabiliza uma probabilidade 38% maior de sofrer com as complicações. O certo mesmo é limitar a ingestão de açúcar a 8% do total de calorias do dia.

4. Alô, energia! Olá, fome! Como o açúcar nada mais é que um carboidrato, ele acaba sendo digerido rapidinho quando é ingerido e isso significa que seu corpo experimenta um pico de energia quase que instantâneo ao consumi-lo. Só que tudo que vem fácil, vai fácil. E após alguns minutos, seu organismo voltará a pedir por mais. Por isso, troque os lanchinhos açucarados por opções ricas em proteínas e gorduras do bem, como as oleaginosas, que vão garantir uma liberação de energia constante e duradoura.

Fonte: http://boaforma.abril.com.br/dieta

Os produtos diet e light podem engordar?

Sim, se você exagerar. Fazer boas escolhas também é importante. “Um produto diet ou light nem sempre é saudável
 ou isento de calorias”, explica a nutricionista Silvia Ferreira, do Rio de Janeiro.
Ao contrário: existem produtos destinados aos diabéticos, mas também consumidos por quem quer emagrecer, com mais gordura que a versão regular; e alguns light que têm pouca gordura, mas que oferecem uma dose grande de açúcar – e vice-versa. Nesse caso, eles engordam até mais do que as versões tradicionais. Então, não se iluda: leia o rótulo e modere na dose.

Fonte: http://boaforma.abril.com.br/dieta

Como lidar com a ansiedade em crianças?

A cena é um clássico do começo de ano nas escolas de todo o mundo. Enquanto algumas felizardas recebem apenas um aceno de longe, outras mães, tentando deixar as crianças, enfrentam choro e ranger de dentes de desespero. Quem não conhece uma criança que parece birrenta? Ou que segue dormindo na cama dos pais depois de grande? Nossas lembranças de uma infância plenamente feliz são filtros. Crescer e adaptar-se ao mundo é essencialmente angustiante, o que causa ansiedade. Mas, quando a criança não relaxa nunca, não quer sair de casa, não consegue ficar sozinha, sua ansiedade pode ter se tornado doença.

A ansiedade é uma das patologias psiquiátricas mais comuns nas crianças, atrás apenas dos Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e de conduta. Cerca de 10% dos pequenos sofre de algum transtorno ansioso, e cinco em cada dez passarão por algum episódio depressivo por causa dela. É necessário estar atento, também, à ansiedade que não chega a ser um transtorno, mas que traz sofrimentos e prejuízos cotidianos, como diminuição da autoestima.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) tem um novo olhar sobre os quadros psiquiátricos em geral, em particular os de ansiedade. Antes, separavam-se os de início específico na infância; hoje, estão todos catalogados sem divisão de faixa etária. Isso significa que os transtornos presentes em crianças e adolescentes não são mais vistos como menos graves.

Os mais frequentes na primeira fase da vida são o transtorno de ansiedade de separação, o transtorno de ansiedade generalizada e as fobias específicas (medo de animais, de avião, de elevador…), seguidos pela fobia social e o transtorno de pânico. Apesar da existência de um quadro clínico para cada um, a maioria das crianças apresentará mais de um transtorno ansioso – a chamada comorbidade.

Quando ansiedade é doença?

A terapia cognitivo-comportamental (TCC), que tem eficácia comprovada no tratamento de distúrbios ansiosos, vê que os indivíduos com ansiedade percebem o mundo como um lugar perigoso, que exige constante vigilância. Além disso, são sensíveis demais a estímulos que sugerem reprovação, e sofrem de autocrítica exagerada.

Coordenador do Programa de Transtornos de Ansiedade na Infância e Adolescência do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP, Fernando Ramos Asbahr compara a percepção do ansioso a um sensor desregulado de incêndio, que alaga um prédio inteiro por conta de um riscar de fósforo. “A ansiedade pode até atrapalhar o desenvolvimento, mas o problema é quando altera o dia a dia. A criança não consegue ir para a escola, não entra numa loja, tem problemas de convivência”, afirma.

Pais nervosos, filhos ansiosos

Tanto por características do ambiente em que são criados quanto pela herança biológica, a ansiedade dos pais tem influência crucial na saúde dos filhos. “O maior fator de risco de uma criança ou adolescente é ter um pai ou mãe ansioso”, diz Asbahr. Há casos em que os pais sentem-se fragilizados frente à prole, e acabam não segurando a barra de ser um ponto de referência e segurança. É também por isso que o envolvimento dos pais na terapia é fundamental para o sucesso do tratamento.

No transtorno de ansiedade da separação, os adultos têm um papel determinante. Com aparecimento precoce, ele é caracterizado pela dificuldade da criança em ficar sozinha e se adaptar na escola, incompatível com o seu nível de desenvolvimento. Os sintomas, que acometem principalmente crianças na faixa dos 6 a 8 anos, caracterizam-se por preocupações excessivas quanto aos perigos que envolvem os pais ou a si próprio, relutância em estar desacompanhado deles e a dificuldade em adormecer ou dormir fora.

“O pai ou mãe ansioso, que acha que o filho vai sofrer na escola, deixa o filho ansioso”, diz Asbahr. Por outro lado, ele afirma que, em certos casos, a ansiedade auxilia no diagnóstico. “Pais que sofreram na infância pensam ‘eu sei o que ele está sentindo, eu tinha isso’. Se a pessoa teve prejuízo pela ansiedade, vai sentir empatia, e isso é bom.”

Usar técnicas de relaxamento e respiração com os pequenos, expor devagar os filhos a circunstâncias diferentes e, principalmente, não se zangar, mas trabalhar em conjunto com as crianças para superar as dificuldades são dicas importantes para os pais.

Fonte: http://saude.abril.com.br

Dor nos pés se controla com exercício

A fascite plantar, uma incômoda inflamação na sola das nossas extremidades inferiores, pode ser desencadeada pelo excesso de passadas ou uso de saltos – o impacto constante com o chão acaba machucando a região. Contudo, desde que realizado dentro dos limites, o exercício físico até previne esse problema, segundo uma revisão de 51 trabalhos científicos.

Conduzida pela Universidade Erasmus, na Holanda, ela revela em primeiro lugar que o excesso de gordura corporal é a principal causa da encrenca. Só que essa associação se torna muito mais forte se o indivíduo acima do peso não possui o costume de calçar o tênis esportivo e sair por aí. “A inatividade enfraquece a musculatura e outras estruturas dos pés“, esclarece a profissional de educação física Marienke van Middelkoop, principal autora da investigação.